51 3026 8979

    51 9 8137 5691

 

FRATER ESPAÇO BIOCÊNTRICO

 A AVENTURA   DO   AUTOCONHECIMENTO

Revista da Frater

Dezembro 2014

Ano VII n° 49

             Quais são as fronteiras entre um indivíduo e outro? Este é o tema da matéria com estudos sobre a influência de células de outros indivíduos em nosso organismo.

             Celebrando o Núcleo Doce Espera temos, na segunda matéria, uma serie de pinturas sobre o parto humanizado

             A matéria sobre o filme Relatos Selvagens e a Animação Pateta no Transito são um convite à reflexão sobre nossas reações a situações limite, relações de vingança, poder e perda de controle que nos fazem pensar, quem realmente somos. Quais os limites do ser humano para a luz e para a sombra?

Boa leitura!

Cientistas descobrem células de crianças vivendo no cérebro de suas mães

A Humanidade do Parto traduzida pela Pintura de Amanda Graevette

Relatos Selvagens

Reflexões de cinema por Marco Guimarães & Myrthes Gonzalez

relatos-selvagens-filme-4.jpg

Pateta no Trânsito

Motor Mania

Este vídeo é uma animação de Walt Disney dos anos 50. Faz parte de uma campanha de conscientização de motorista ocorrida naquela década do século passado. Apesar de já ser bem antigo o vídeo se mantém extremante atual. Podemos nos perguntar: que parte de nós é esta que o poder de dirigir um carro desperta? (clique aqui ou na foto para ter acesso ao vídeo)

O Núcleo Doce Espera nos brinda com pinturas de Amanda Graevette que traduz de uma forma bela e poética essa incrível oportunidade de deixar um bebê vir ao mundo de forma humanizada. (Clique na foto ou aqui para ter acesso ao texto)

A conexão entre mãe e filho é ainda mais profunda do que se pensava. Uma nova pesquisa sugere uma conexão física ainda mais profunda. As ligações psicológicas e físicas compartilhadas pela mãe e seu filho começam durante a gestação [...] (Clique na foto ou aqui para ter acesso ao texto.)

Mesmo sem perceber, diariamente somos submetidos a situações que são humilhantes e indignantes. Fomos educados para manter o controle e nos submeter, para não questionar. Quando temos a chance fazemos pequenas vinganças disfarçadas, que em psicologia costumamos chamar de atuações. O fio da navalha que separa a civilização da barbárie transita por uma realidade crua e imprevisível. (Clique na foto ou aqui para ter acesso ao texto)

Elipse: